Histórico

Objetivo Geral

  • Disponibilizar um banco de dados sobre o português falado no Brasil, e em países africanos de língua oficial portuguesa (os PALOPs) e no Timor-Leste, de modo a possibilitar a análise descritiva, sob a perspectiva dos aspectos fonético-lexicais, morfossintáticos, semântico-pragmáticos e discursivos da língua portuguesa, numa visão sociolinguística, geolinguística e discursiva, além de comparações relativas a outras variedades da língua, visando a uma discussão da política linguística para o português e a prestação de assessoria a órgãos de comunicação de massa e de criação de tecnologias de análise e processamento de fala.

Objetivos Específicos

  1. Fazer um levantamento e uma análise crítica das diferentes concepções de “lusofonia” em diferentes áreas do conhecimento (Linguística, Literatura e História), construindo uma noção que leve em conta os aspectos históricos, culturais, econômicos, linguísticos e políticos;
  2. Analisar a situação linguística do Português em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste no que se refere às funções sociais desempenhadas pelo Português em cada um desses países e às políticas linguísticas de difusão da língua;
  3. Compor um corpus do Português falado em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste com informantes residentes no Brasil e em seus países de origem;
  4. Disponibilizar em página da internet o áudio e as transcrições ortográficas das entrevistas realizadas com os informantes;
  5. Realizar um estudo exploratório e contrastivo dos aspectos lexicais do Português de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste com o Português do Brasil e de Portugal;
  6. Investigar a influência das línguas nativas no Português que é falado por cabo-verdianos, angolanos, bissau guineenses, moçambicanos, tomenses e timorenses.
  7. Desenvolver projetos de pesquisa que visem à descrição da fala das ocorrências sob as perspectivas fonética, lexical, morfossintática e semântica e discursiva, bem como comparações relativas a outras variedades da língua.
  8. Realizar um estudo exploratório sobre o português falado em países africanos de língua oficial portuguesa (os PALOPs): Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe; como também na Ásia: Timor-Leste.
  9. Empreender um levantamento que permita planejar uma pesquisa mais aprofundada da situação do português africano, no sentido de flagrar as diferenças em relação à língua falada no Brasil.
  10. Discutir a atitude dos falantes dos PALOPs e do Timor-Leste frente à língua portuguesa, notadamente quanto à construção das representações dessa língua, como língua materna e não materna, língua oficial e língua nacional.
  11. Oferecer subsídios para a discussão de uma política linguística para a difusão, a promoção e o ensino da língua portuguesa, como língua materna ou estrangeira, para a elaboração de textos didáticos, paradidáticos e de material de apoio à formação de professores e à difusão dessa língua.